Sasha, gata de estimação de Maria Eduarda Nunes, foi envenenada em frente à residência de sua proprietária, no Jardim Santa Rosa, no último domingo (6)

Casos de maus-tratos a animais preocupam ararenses

Um cão foi encontrado amarrado a uma árvore na zona rural da cidade; o animal provavelmente serviria como sacrifício em ritual religioso

Sasha, gata de estimação de Maria Eduarda Nunes, foi envenenada em frente à residência de sua proprietária, no Jardim Santa Rosa, no último domingo (6)

Sasha, gata de estimação de Maria Eduarda Nunes, foi envenenada em frente à residência de sua proprietária, no Jardim Santa Rosa, no último domingo (6)

Os casos de maus-tratos a animais são cada vez mais recorrentes em Araras. Um cachorro foi encontrado amarrado a uma árvore em uma encruzilhada, na noite da última terça-feira (8), por moradores da Fazenda São José, zona rural.

Após perceberem a presença do animal, entraram em contato com o vereador José Roberto Apolari (PTB) que foi até o local constatando que o cachorro provavelmente seria usado em um ritual de magia negra, pois também foram encontradas velas, bebidas alcoólicas e uma tesoura nas proximidades. Toda situação foi relatada por Apolari em sua página no Facebook. Segundo o vereador, o animal foi resgatado e encaminhado a uma clínica veterinária, onde passará por exames. Após isso, estará disponível para adoção.

Segundo a Lei Federal 9.605/98, praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é crime que prevê detenção de três meses a um ano, além de multa.

Como já noticiado pelo Opinião, em junho deste ano, Apolari protocolou indicação ao prefeito Pedrinho Eliseu (PSDB) de um projeto de lei que estabelece multas e penalidades administrativas para aqueles que praticarem maus-tratos aos animais no município de Araras.

A reportagem entrou em contato com Rose Coser, presidente da Associação Sempre a Seu Lado, a fim de saber como questões relacionadas a maus-tratos são solucionadas. De acordo com Rose, a Associação geralmente recebe denúncias acompanhadas de fotos. Após verificar a veracidade das mesmas, os animais envolvidos em casos como esses são resgatados e encaminhados a lares temporários. Além disso, um boletim de ocorrência é realizado. “Estamos tentando junto ao poder público para que leis municipais que regulamentem a posse responsável e proíbam os maus-tratos sejam aprovadas, mesmo já existindo leis estaduais e federais”, ressalta Rose.

Ainda, segundo Rose, em situações semelhantes as pessoas devem realizar o boletim de ocorrência e contatar a Polícia Militar Ambiental com a presença de um veterinário. “Isso tem sido muito complicado para os denunciantes. Unir no mesmo local Polícia Militar, Guarda Municipal ou Polícia Ambiental, com a presença de um veterinário é complicado. Além disso, os municípios não atendem essas ocorrências. Dessa forma, a população acaba procurando a Associação com provas e temos tentado, na medida do possível, realizar fiscalização e/ou resgates. Tudo isso gera custos muito altos, além da paciência e os riscos a que somos expostos, desde o momento em que recebemos a denúncia, verificação dos fatos, tentativas de reverter a situação sem envolver Polícia e veterinário, até o limite máximo que é a retirada do animal com acompanhamento policial. Depois de tudo isso, tentamos recuperar ou salvar o animal e achar um lar definitivo e responsável”, explica Rose.

Outro caso

No último domingo (6), Maria Eduarda Nunes, moradora do Jardim Santa Rosa em Araras, publicou um desabafo em um grupo no Facebook.

Segundo Maria, seus dois gatos foram envenenados nos últimos dois meses. Além disso, um terceiro animal, de propriedade de um vizinho, também teria sido envenenado na região nos últimos dias. Apesar de não saber quem poderia ter cometido o crime, a proprietária dos animais mortos pede ajuda para que esse tipo de crueldade acabe. “Segundo gato meu que matam! Que crueldade! Alguém me ajuda, isso não pode ficar impune. Moro no Jardim Santa Rosa, ontem mataram um gato, hoje foi a minha”, escreveu Maria em sua publicação.

O desabafo teve grande repercussão nas redes sociais, recebendo mais de 600 curtidas e muitos comentários, onde é possível observar diversos relatos a respeito de casos parecidos na cidade.

Associação Sempre a Seu Lado

Glaucileide Ramos da Silva e família adotaram a pet que estava há aproximadamente um ano no Canil Municipal e lhe deram o nome de Menina

Glaucileide Ramos da Silva e família adotaram a pet que estava há aproximadamente um ano no Canil Municipal e lhe deram o nome de Menina

Durante esta semana, entre segunda (7) e quarta-feira (9), a Associação Sempre a Seu Lado esteve no Canil Municipal realizando ações de banho, tosa e fotografia dos animais que lá vivem. A iniciativa tem como objetivo abastecer o link da Secom (Secretaria Municipal de Comunicação Social e Institucional) com informações dos animais disponíveis para adoção. Além disso, a Associação realizará uma feira de adoção de animais em outubro, também no Canil Municipal, em comemoração ao mês de São Francisco de Assis.

A Sempre a Seu Lado surgiu em 2014, a partir de um grupo de protetoras que buscavam a criação de políticas públicas relacionadas à proteção de animais. Na época, as participantes foram aconselhadas pelo prefeito Nelson Dimas Brambilla e seu vice a regularizarem o grupo para que suas reivindicações fossem recebidas de maneira mais concreta pelo poder público. Atualmente, a Associação conta com 30 voluntários que trabalham para garantir maior proteção aos animais da cidade.

Giovanna Peterlevitz

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Copyrıght Grupo Opinião. Todos os direitos reservados.