Relatório de mapeamento das áreas de risco para inundações e deslizamentos foi entregue nesta sexta-feira, dia 31

Defesa Civil mapeia quatro áreas de inundações e uma de deslizamento em Araras

O relatório da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil do Estado de São Paulo apontou em relatório quatro áreas mapeadas com risco médio para inundação e uma área de risco baixo de deslizamento em Araras.

O documento foi entregue ao prefeito Nelson Dimas Brambilla (PT – Partido dos Trabalhadores) pelo chefe da Casa Militar e da Coordenadoria de Defesa Civil do Estado de São Paulo, coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira na última sexta-feira, dia 31.

Um dos locais de inundação apontado pela Defesa Civil é na avenida Dona Renata com a rua Bolívia e a avenida José Severino, próximo ao Flat Lagoa Serena que em dezembro de 2012 sofreu com as chuvas  Crédito: Marcos Marques/divulgação Facebook/Arquivo 2012

Um dos locais de inundação apontado pela Defesa Civil é na avenida Dona Renata com a rua Bolívia e a avenida José Severino, próximo ao Flat Lagoa Serena que em dezembro de 2012 sofreu com as chuvas
Crédito: Marcos Marques/divulgação Facebook/Arquivo 2012

As áreas consideradas como de risco médio para inundações são: 1) cruzamento da avenida Dona Renata com a rua Bolívia e a avenida José Severino, próximo ao Flat Lagoa Serena; 2) cruzamento da avenida Dona Renata com a avenida Capitão Arthur dos Santos, próximo ao Emaús; 3) cruzamento da avenida Dona Renata com a rua São Francisco, próximo ao Teatro Estadual Maestro Francisco Paulo Russo; 4) Vila Bressan avenida Dona Renata.

Apenas uma área considerada de risco baixo foi identificada para deslizamento e fica   no Jardim Nossa Senhora Aparecida na avenida Dona Renata com a rua Itatiba, adjacente ao Ribeirão das Araras.

Além dos dados negativos, o levantamento também mostra que Araras não apresenta áreas de risco alto e nem muito alto para deslizamentos e inundações.

Relatório de mapeamento das áreas de risco para inundações e deslizamentos foi entregue nesta sexta-feira, dia 31

Relatório de mapeamento das áreas de risco para inundações e deslizamentos foi entregue nesta sexta-feira, dia 31

Em fevereiro deste ano, técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), órgão responsável pelo mapeamento, estiveram na cidade para coletar dados e visitar os pontos críticos onde há riscos de inundações e/ou deslizamentos.

O relatório contém informações como descrição da área avaliada, delimitação dos setores de risco identificados em imagem de sensores remotos, quantidade de imóveis em risco, quantidade de pessoas em risco, tipologia do processo (deslizamento, inundação, solapamento de margem) e sugestões de intervenções para minimizar ou eliminar os riscos identificados.

O trabalho de mapeamento foi realizado em mais 41 municípios abrangidos no Plano Preventivo de Defesa Civil do Estado.

O projeto, que começou em novembro de 2014 e tem duração de nove meses, contou com visitas técnicas realizadas por membros da Seção de Investigações, Riscos e Desastres Naturais do IPT. Nas visitas, eles organizaram as informações de cada área de risco visitada e efetuaram documentação fotográfica no Sistema de Informações Geográficas (SIG), com a finalidade de subsidiar o gerenciamento das áreas e estabelecer parâmetros técnicos e sociais.

 

Ações de prevenção às inundações

O prefeito Brambilla apontou que o documento é valioso para que a Prefeitura possa identificar as ações que devem ser realizadas para minimizar enchentes e deslizamentos. “A administração, desde 2010, se comprometeu a minimizar os problemas de enchentes nos pontos considerados críticos pelo relatório. As obras de macrodrenagem irão reduzir drasticamente os riscos de enchentes nesses pontos para os próximos 30 anos. Boa parte da obra já está concluída e na última semana demos início à outra etapa importante, que é o alargamento das calhas dos Ribeirão das Araras e das Furnas, ação que irá equacionar o problema de inundações”, disse.

As obras de macrodrenagem urbana, realizadas por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do Governo Federal, entraram em uma nova fase que consiste no alargamento da calha do Ribeirão das Furnas em um trecho de aproximadamente 2,1 km, localizado entre as proximidades do Flat Lagoa Serena até a confluência dos Ribeirões das Furnas e das Araras, em ponto perto da entrada do Residencial Samantha.

Os serviços incluem o alargamento de 9 a 15 metros da largura do canal, dimensão que pode variar conforme o trecho. Isso praticamente dobrará a largura do canal, que é atualmente de 7,5 metros. Haverá, portanto, a instalação de peças pré-moldadas de concreto e aprofundamento do leito do Ribeirão, envolvendo escavação com máquinas e colocação de aduelas pré-moldadas.

Além das obras do PAC, Brambilla também ressaltou que intervenções serão feitas no ponto considerado de risco baixo para deslizamentos no Jardim Nossa Senhora Aparecida. “Iremos sanar esse problema e faremos um estudo junto à Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas para elaborarmos um plano de ação no local”, concluiu.

O chefe da Casa Militar do Estado, coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, elogiou as ações realizadas pela administração. “Obras de macrodrenagem, como as realizadas em Araras, devem servir de exemplo para outros municípios do Estado. As iniciativas tomadas para resolver esse problema demonstram o compromisso que um bom gestor de riscos deve ter. Nem sempre é possível erradicar inundações e deslizamentos, mas esse mapeamento poderá nos nortear para agirmos com a prevenção a possíveis acidentes”, disse o coronel.

Citando o esforço conjunto das forças de segurança, o secretário de Segurança Pública e Defesa Civil João Tranquillo Beraldo falou sobre a importância da prevenção. “Temos que ficar sempre alertas, principalmente em dias de chuvas fortes. As obras realizadas nas marginais irão minimizar os problemas das enchentes e significam uma importante ação de prevenção de desastres naturais”, afirmou.

Também participaram da entrega do documento o chefe de Gabinete Léo Gurnhak; o secretário de Governo e Relações Institucionais Eduardo de Moraes; o secretário de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas Celso Canassa; o secretário de Administração João Bianco; o diretor da Divisão de Planejamento, Legislação e Ensino da Defesa Civil do Estado, capitão da PM Rudyard Panzarini Paiva; o adjunto da Defesa Civil da região de Campinas, Álvaro Feijó; o adjunto regional da Defesa Civil José Rodrigo Miranda da Silva; o subcomandante do 36º Batalhão da Polícia Militar de Limeira, major da PM Willians de Cerqueira Leite Martins, (representando o comandante do 36º Batalhão, o tenente coronel da PM Cláudio Roberto Sorge); além de assessores do deputado estadual Celso Braz do Nascimento (PSC – Partido Social Cristão).

 

Implantação de pluviômetros e campanhas educativas

Durante a entrega do documento, o chefe da Casa Militar Coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira também anunciou para o segundo semestre a implantação de pluviômetros para uma melhor aferição dos níveis de chuva na cidade.

Os pluviômetros são equipamentos responsáveis por recolher e medir, em milímetros, a quantidade de chuva precipitada em um determinado local. Os dados aferidos são transmitidos automaticamente, via celular.

O coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira adiantou que os equipamentos serão colocados nos trechos elencados pelo relatório que indicam risco médio de inundações. “Os pluviômetros irão contribuir muito para a prevenção de desastres naturais, pois poderemos programar ações com antecedência, qualificando o atendimento às ocorrências”, disse o diretor da Defesa Civil de Araras Rafael Silveira.

Além disso, o coronel anunciou a possibilidade de firmar um convênio com o município para a implantação de um programa educativo que visa intensificar a conscientização nas escolas de toda a cidade. (com informações Secom)

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Copyrıght Grupo Opinião. Todos os direitos reservados.