copo_água

Despressurização deixa água “suja” no Centro

César Foguel/Opinião

Copo com água mostra aspecto amarronzado. Situação foi presenciada por moradores e comerciantes da área central ontem.

Moradores e comerciantes da área central da cidade ficaram surpresos ao abrirem as torneiras e receberem água com um aspecto escuro no começo da tarde de ontem, dia 28. A água “suja” começou a sair por volta do meio dia, e já havia retornado ao aspecto normal no meio da tarde em alguns estabelecimentos, conforme constatou a reportagem.

Conforme informou o Saema (Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente de Araras) em nota à reportagem, esta “sujeira” na verdade são incrustações, oriundas dos produtos utilizados para tratamento da água, formados com o tempo na rede de tubulação de ferro. Ainda segundo a autarquia, este fenômeno ocorre neste momento em que o Centro da cidade foi incluído no esquema de racionamento, que está em vigor desde outubro do ano passado. No entanto, o atual esquema de 12 horas com água e 36 horas sem água teve início a partir de dezembro, sendo que o município foi dividido em dois setores, com distribuição intercalada.

A Secretaria Municipal de Comunicação Social e Institucional (Secom) informou em nota que considera o aspecto sujo da água como “um dos impactos ocasionados pela manobra dos registros da rede e observado mais intensamente nesta terça-feira (27) por moradores do Centro. Esse mesmo problema já havia sido vivenciado por moradores de outras partes da cidade desde quando o racionamento começou, em outubro”, consta no comunicado.

Segundo o Saema, manobras tiveram início no último 13 e já vinham provocando diminuição da pressão da água e até interrupção do abastecimento em alguns pontos do Centro. Oficialmente, segundo a Prefeitura, a região central de Araras foi incluída no setor 2 do cronograma de racionamento. A autarquia também já havia informado na semana passada que muitos moradores de outros bairros reclamavam de que o Centro geralmente não ficava sem água no período de suspensão. Isso acontecia, segundo a Prefeitura, já que as redes que abastecem toda a cidade passam pela região central e se interligam em alguns pontos, o que faz com que o Centro, além de ter sua rede própria, também seja abastecido com a água que passa por estas linhas.

Sobre a situação da água ontem, o Saema afirmou que a situação ocorreu devido a esse processo de racionamento que finalmente teve início no Centro. “Ao despressurizar a rede, com a parada para o racionamento, essa incrustação acaba se desprendendo. Com o retorno da água essa incrustação é levada, ocasionando a mudança na turbidez da água”, afirmou a autarquia em nota.

O presidente interino do Saema, Felipe Dezotti Beloto, também se pronunciou sobre a situação através da Secom. “Produtos utilizados no tratamento de água acabam sedimentando na tubulação, que é antiga e poucas vezes foi despressurizada.  Quando a água voltou a passar pelos canos, a pressão fez com que estas incrustações se desprendessem dos tubos e se arrastassem pela rede, ocasionando uma coloração amarronzada na água. Esta é uma situação temporária, que vai ser normalizada nos próximos dias, conforme a água for passando pela tubulação”, explicou.

A autarquia ainda alertou que a população não deve deixar as torneiras abertas para que esta água escorra até que volte a ficar incolor. “Ela pode ser utilizada, por exemplo, para descarga nos banheiros ou para regar plantas”, orienta. O Saema ainda explica que outra alternativa é deixar o registro do imóvel fechado entre o fim da manhã e as primeiras horas da tarde. “Como a rede que passa pela região central é estratégica para fazer chegar água a outras regiões da cidade, ela vem sendo aberta pelo Saema por volta das 12h para evitar que outros bairros da cidade fiquem sem água por períodos maiores do que as 36 horas previstas no cronograma”, afirmou a Secom.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Copyrıght Grupo Opinião. Todos os direitos reservados.